Gerenciando o dinheiro de Deus

0Shares

Vejo muitos paralelos entre o antigo papel bíblico do mordomo e o do consultor financeiro dos dias modernos, provavelmente por causa de minha própria experiência pessoal como consultor financeiro. Esses papéis exigem que as decisões (ou recomendações) sejam feitas com base, não no interesse próprio de quem é contratado para administrar o patrimônio, mas nos interesses de outro – o proprietário. É uma confiança sagrada que o proprietário deposita no gerente.

Recentemente, expliquei um complexo investimento imobiliário privado a um novo cliente que, apesar de sua inteligência, não tinha certeza de ter entendido claramente todos os detalhes. Mais do que apenas marcar uma caixa de conformidade, é realmente importante para mim ter investidores engajados e bem formados. Então, passei por vários pontos de discussão novamente (como o investimento se alinhava com seus objetivos e valores, rendimento atual, riscos, taxas, liquidez, etc.) e parei para fazer perguntas.

Sentindo que ela não sabia bem o que perguntar, mas também não se sentia totalmente à vontade ainda, informei a ela que havia recentemente recomendado o mesmo investimento para meus pais e investido parte de meu próprio dinheiro nele também. Ela suspirou de alívio e reconheceu: “Isso é exatamente o que eu precisava saber.”

Depois disso, os outros detalhes foram resolvidos rapidamente e a transação concluída. Ela agora é dona de um novo investimento, mas eu também tomei posse de algo novo. (Não, não estou falando de um grande cheque de comissão. Não seja cínico.) É a confiança dela . Ela colocou algo valioso sob meus cuidados e confiou em mim para cuidar disso em seu nome.

Agora carrego sua confiança em meu coração e em minha mente, e o peso dessa responsabilidade é minha companheira constante. Isso me lembra de prestar atenção aos investimentos que recomendei e às possíveis mudanças na situação financeira do meu cliente, sabendo que ele provavelmente não prestará muita atenção.

Como no relacionamento com nossos clientes, a confiança também é a base da administração bíblica eficaz. O termo mordomia significa simplesmente o gerenciamento de recursos que não pertencem ao gerente. E uma vez que a Bíblia ensina claramente que toda riqueza, em última análise, pertence ao próprio Deus, precisamos administrar os ativos em nossas contas sabendo que na verdade é dele. A mordomia, então, é muito parecida com ser o Conselheiro Financeiro de Deus, que tem o arbítrio em Seu nome, mas deve administrar tendo seus interesses em mente.

No entanto, nossa atribuição de administração não vem com nenhum sistema embutido que nos ajude a permanecer no caminho certo. E Deus não nos chama exatamente para verificar como estamos indo ou nos envia um e-mail solicitando mudanças em nossa estratégia. E assim como a oscilação da carteira (que ocorre à medida que títulos individuais em sua carteira se valorizam ou depreciam em valor e se desviam de suas alocações originais ao longo do tempo) pode, e irá, ocorrer inadvertidamente ao longo do tempo sem um olhar atento, podemos experimentar a flutuação da administração em nosso papel de administrar o dinheiro de Deus se não estivermos prestando atenção. É fácil, por exemplo, reduzir inadvertidamente nossas doações, aumentar nossos gastos com o estilo de vida.

Talvez alguns dos sistemas e construções que ajudam a manter os consultores financeiros diligentes e confiáveis ​​em suas vidas profissionais possam ser aplicados aos nossos esforços de administração pessoal para nos ajudar a ser mais eficazes para o nosso rei. Considere como duas das atividades mais comuns de consultor financeiro, Coleta de Dados e Revisões Trimestrais , podem se traduzir em melhor administração pessoal.

fonte https://www.christianpost.com/voices/managing-gods-money.html

0Shares
Anúncios
Anúncios