África une-se para criar um continente livre de poluição ambiental

Os países que firmaram a Convenção de Bamako adotaram um conjunto de decisões endossadas por mais setores público e privado, sociedade civil e organizações regionais; o documento indica que africanos querem melhorar saúde e ambiente.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.

Uma melhor qualidade do ar, da saúde e do ambiente para o continente africano foi o tema de um encontro, encerrado em 1 de fevereiro em Abidjan, capital da Cote d’Ivoire, também conhecida como Costa do Marfim.

Países que firmaram a Convenção de Bamako adotaram uma série de decisões na qual reafirmam o compromisso de construir um continente livre de poluição.

Organizações regionais

Participaram no evento mais de 35 nações, representantes da sociedade civil, do setor privado e de organizações económicas regionais.

De acordo com o encontro, é preciso desenvolver mecanismos eficientes e tomar ações urgentes para que a Convenção de Bamako seja implementada a níveis nacional e regional.

A Convenção foi negociada por 12 nações da União Africana em Bamako, no Mali, em 1991 entrando em vigor, sete anos depois.

O documento proíbe a importação para África de lixos nocivos, assim como incineração de dejetos ou depósito dentro de águas africanas.

Instrumento

Ainda que os países tenham se comprometido ao banimento absoluto, eles também afirmaram que tomarão ações concretas para implementar as medidas.

A ministra do Saneamento, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Cote d’Ivoire, Anne Desire Oulotto, disse que a Convenção é o instrumento mais importante para demonstrar a vontade dos africanos em proteger o ambiente e a saúde.

Os países também se comprometem a gerenciar os lixos químicos de forma correta, o que também é parte da Agenda 2063 de desenvolvimento africano como a Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável.

 

fonte http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2018/02/africa-une-se-para-criar-um-continente-livre-de-poluicao-ambiental/#.Wngul7ynF0s

 

Posted in ONU