Policiais confiscam Bíblias de cristão cubano e dizem `Nosso deus é Fidel Castro´

 

Mais detalhes sobre a prisão de um ativista cristão cubano foram revelados pela ONG ‘Christian Solidarity Worldwide’. Ele foi condenado a três anos e meio de prisão no final do ano passado, depois que autoridades invadiram sua casa e confiscaram Bíblias e cruzes que estavam no local.

Misael Diaz Paseiro, um dissidente que é membro da Frente de Resistência Cívica de Orlando Zapata Tamayo, foi preso em novembro e acusado de “periculosidade social pré-criminal” pelo governo comunista, de acordo com a ONG cristã de apoio à Igreja Perseguida.

A prisão de Paseiro veio depois que os agentes de segurança do Estado invadiram sua casa no dia 22 de outubro e confiscaram duas Bíblias e diversas cruzes. De acordo com a CSW, foi em 4 de novembro que Paseiro foi espancado pela “polícia política”.

“Misael, além de ser um ‘contra-revolucionário’, você também é um cristão”, citou um oficial da polícia citando a Paseiro no momento da prisão. “Você deve olhar para nós, somos revolucionários e não acreditamos no seu Deus. Nosso Deus é Fidel Castro”.

Inicialmente, Paseiro teve seus direitos básicos negados na prisão, como o acesso a uma Bíblia e visitas de um capelão. Os maus tratos que Paseiro sofreu levou sua esposa, Ariana López Roque, a realizar uma greve de fome de 19 dias.

Durante a greve de fome da esposa de Paseiro, a CSW informa que funcionários da polícia impediram um pastor de ir à sua casa para aconselhá-la. O pastor Bárbaro Guevara tentou visitar López Roque duas vezes, mas foi impedido de fazê-lo.

Ariana já encerrou sua greve de fome depois de receber garantias de que os direitos do marido serão respeitados na prisão, de acordo com a CSW.

Como os agentes do governo que prenderam Paseiro disseram-lhe que o já falecido ditador brutal Fidel Castro “era o deus deles”, o pastor cubano e ativista dos direitos Mario Barroso disse ao ‘Christian Post’ na quinta-feira que não é incomum que pessoas em Cuba invoquem o nome de Castro como um deus.

Barroso, um missionário que foi preso muitas vezes pelo governo cubano que veio aos Estados Unidos como refugiado com sua família em 2016, disse ao Christian Post que invocar o nome de Castro como deidade é a “estratégia de algumas pessoas em Cuba para cobrir crimes e corrupção”.

“Invocar Fidel Castro em Cuba ajuda a cobrir atos de corrupção e até mesmo crimes. Isso prova que os seguidores de [Castro como Deus] não são realmente tão habilidosos quanto o próprio Fidel, mas sim os benefícios que são chamados de invocá-lo”, explicou Barroso. “No fundo eles estão imitando Fidel com esse comportamento desde que o ditador era assim: um oportunista, um chantagista. Então, os crentes em Fidel Castro atuam à imagem e semelhança de seu deus, Fidel. Eles são fiéis seguidores do exemplo maligno de seu deus”.

“Pode haver 5% daqueles que afirmam ter Fidel Castro como deus que realmente o adoram”, acrescentou Barroso. “Os outros 95% são apenas oportunistas que imitam o mau exemplo de Fidel”.

A notícia da detenção de Paseiro vem como um novo relatório da CSW sobre Cuba lançado neste mês, que revela que havia até 325 violações da liberdade religiosa na nação insular em 2017.

Embora a cifra de 325 seja inferior ao número de violações da liberdade religiosa que a CSWinformou em 2015 e 2016, continua a aumentar a tendência das violações desde 2011, informa a organização.

“A CSW está profundamente preocupada com o crescente número e gravidade das violações [de liberdade religiosa] relatadas por uma grande variedade de denominações e grupos religiosos, que parecem mostrar que o governo está tentando apertar seu controle sobre as atividades e a associação de grupos religiosos”, segundo relatório da organização. “Muitas das violações documentadas estavam em consonância com os tipos de violações observadas em anos anteriores – por exemplo, o uso de detenção arbitrária temporária, assédio de líderes da igreja e ataques a direitos de propriedade”.

“Parece, no entanto, que o governo agora também está diversificando suas táticas ameaçando ativistas e líderes religiosos com acusações criminais falsas, impedindo arbitrariamente que eles viajem para fora do país e visando seus filhos”, continuou o relatório. “É essencial que a União Europeia, os Estados Unidos e outros governos em diálogo com Cuba usem suas posições para pressionar por melhorias na liberdade religiosa e na situação geral de direitos humanos no país”.

 

fonte http://www.cpadnews.com.br/universo-cristao/42990/policiais-confiscam-biblias-de-cristao-cubano-e-dizem-nosso-deus-e-fidel-castro.html